Machu Picchu I Perú
75Km até Machu Picchu - IV

“Coca té!”, mãozinha de fora, e esta madrugada não custa tanto tirar camisolas. às seis da manhã, depois de outro pequeno-almoço para campeões, voltamos a fazer-nos ao caminho. Hoje deixamos as montanhas nevadas para entrar na floresta quente, na flora das mangas, das bananas, dos abacates, dos morangos silvestres, das plantações de coca e dos chuchus. Passamos rios, quedas de água e corredores de palmeiras. E mais uma vez as descidas, gravinhas abaixo, pedras deslocadas, calhaus de fazer resvalar, sempre a descer. Agora temos outras dores de pés, a maçar os dedos grandes e os mindinhos. As botas, dois números acima, ainda nos fazem escorregar mais o pé, que sempre bate de frente no duro da biqueira e já temos bolhas e calosidades por todo o lado. Quando se pára para o almoço voltam-se a tirar os sapatos, a passar o toalhete, a untar com nívea e vaselina, a pôr ligas e pensinhos rápidos. Mas hoje a tarde é de descanso.

Chegámos a Santa Teresa, Santa Teresa das águas termais. Se ontem vestíamos cinco camadas de roupa, hoje estamos de biquíni a entrar numa piscina de água quente com um montão de peruanos lá para dentro, que por cá ainda são Fiestas Patrias e a gente aproveita o feriado para os banhos. Mas a festa ainda não acabou, hoje no acampamento há fogata e juntam-se os grupos todos para o baile. E depois de uns piscos sour, as salseiras, como já nos chamavam por lá, fizeram-se à roda, um-dois-três-quatro, um-dois-três-quatro. Deitar às onze da noite sabia a rebeldia, afinal, a hora de acordar não tinha mudado, nem as horas de caminho do dia seguinte.

E se a manhã seguinte foi de zip-lines e grandes adrenalinas para uns, se foi de autocarro e conforto para outros, para nós foi de pó e terra batida. Pagámos para caminhar, é a caminhar que vamos, não há cá seduções e promoções loucas de outras agências que nos façam arredar pé. A nós, aos nossos três espanhóis e aos dois irmãos brasileiros. é claro que penámos bem, estava um calor que não se aguentava, e o Primo estava de trombas por ter que vir connosco – “ai querem caminhar?....”, nunca o vimos andar tão rápido, parar tão poucas vezes e ser de tão poucas palavras. à hora de almoço voltou a juntar-se o grupo, agora era só seguir a linha de comboio para chegar a águas Calientes – a pequena vila no sopé de Machu Picchu. Estar quase a chegar sem chegar, os abraços e as palmadas da vitória sem se ter cortado a meta, o brinde dos campeões sem ainda se ter chegado à final. Como é que podíamos estar tão contentes se tínhamos os joelhos inchados, os pés em ferida, os gémeos massacrados, as coxas doridas, as costas a ranger e ainda faltavam subir a as mais de duas mil escadas até à cidade perdida dos Incas.