El Tunco I El Salvador
Salvem-nos de El Salvador

Hoje deixamos a Guatemala, daqui a seis dias temos de estar na Cidade do Panamá. Desenhámos uma linha recta junto à Costa do Pacifico, o caminho mais a direito para chegar, desta vez chegar, ao nosso voo para Cartagena. As fotos da Josephine dispararam-nos para El Tunco, e passadas seis horas e mais uma fronteira, chegámos a uma praia de areia preta, ondas fortes, rochas e surfistas.

El Tunco são pouco mais de duas ruas, meia dúzia de hostels e um calor húmido dos diabos. Há mesas de plástico na rua, abarrotes e pequenas miscelâneas, aqui paga-se com dólares americanos e fala-se rápido, numa pronúncia para dentro, preguiçosa e arrastada. A comida também começa a perder o interesse e as pupusas parece que são o prato típico de cá – duas tortilhas mais grossinhas, no México chamar-lhe-iam gorditas, com coisas quentes e derretidas lá para dentro. Lá comemos as pupusas ao jantar enquanto ouvíamos as quarentonas descontroladas, a falar alto, a meterem-se com os surfistas e os salvadorenhos rufiões, a mandar piropos para o ar.

El Tunco é uma fotografia bonita, sim, mas amanhã seguimos para a Nicarágua.