Cochin I Índia
Atracados em Cochin

buy naltrexone no prescription

buy naltrexone

buy abortion pill online

buy abortion pill online dearteaga.es

abilify

abilify loekkenglas.dk

buy naltrexone from trusted pharmacy

buy low dose naltrexone

buscopan compositum

buscopan
às tantas éramos três. O Bunty veio com a mochila.

Chegámos a Cochin cheios de sono, com cãibras nos dedos dos pés e dores nas articulações. Dorme-se tão mal nos autocarros. (Supostamente, os autocarros Volvo AC semi-sleepers são a coqueluche dos buses indianos, prometem bancos rebatíveis, para estender as pernas e esticar as costas, ar condicionado, para aliviar o calor e os cheiretes. Mas se se esticam as pernas, fica-se sem espaço para as mexer, o ar condicionado enregela-nos até aos ossos e o pivete é o mesmo. Não há nada como os nossos comboios.)

Cochin é uma geografia esquisita. Não é uma ilha porque continuam a existir ligações a terra, mas são tão ténues e franzinas que também não se chega a parecer com uma península. é uma espécie de puzzle desencaixado, as peças estão em cima da mesa, falta uma ou outra, mas dá para perceber a figura. Nós entrámos de ferry neste jogo, a ziguezaguear até ao Forte.

Damos com um lugar quieto a flutuar em águas tranquilas, sabemos pouco sobre ele, mas rapidamente percebemos que Cochin é uma história atribulada. Os portugueses foram os primeiros a ocupar esta terra verde, fértil e estrategicamente posicionada. Depois vieram os holandeses, os mysores e os ingleses. E a mescla não acaba, vêem-se por todo o lado todo o tipo de influências – gigantes redes de pesca trazidas pelos chineses, a sinagoga de 400 anos, mesquitas e igrejas de outros tempos, toda uma arquitectura europeia erguida nesta redoma tropical indiana.

Os três da vida airada fizeram-se à vida. Primeiro deixaram-se de frescuras e atiraram-se à comida de rua, bem gordurenta e apetitosa, embrulhada em folhas de jornal (não, não houve dores de barriga, cólicas, nem problemas de maior). Depois, pegaram em bicicletas e fizeram-se à estrada, com pasteleiras perras e enferrujadas a dar a volta ao Forte.

Pelas vielas de Cochin vende-se o artesanato da índia toda, voltam-se a encher as narinas de pozinhos de pimenta, canela, noz moscada, caril, açafrão, alecrim – atchim! Bebe-se chai pelas soleiras das portas e voltamos a parar nas vendas de lata para encher os bolsos.

Damos com o Teatro. Em Cochin vai-se ao teatro para ir à dança ou talvez se vá à dança para ver teatro. O Kathakali é uma excentricidade berrante de olhos arregalados e órbitas bem treinadas, impressionante pela maquilhagem alegórica e pelo guarda-roupa aparatoso. é medonho. As tradições têm esta coisa de ressuscitar demónios antigos e deuses passados e assombrar-nos com representações fidedignas do “como era antigamente”. Saímos perturbados, aborrecidos e cheios de fome.

A 50Km dali as Backwaters. 900 Km em labirinto por canais, rios, afluentes e lagos. 900 Km de caminhos de água que ligam povoações, sem buzinas nem horas de ponta. Estradas silenciosas para onde deslizamos com o último grito sempre atrás. O último grito dos smartphones, com o último grito de Bollywood em alta voz, o maquinão que tira fotos mesmo boas, o saco-lancheira com as Lays, os Donuts e as Coca-Colas para os miúdos, que acabam infalivelmente por fazer a cena da birra e do berro e do “dá cá que é meu”, impacientados com tanto verde e tanto espelho de água. E depois mudamos de barco. Entramos por canais ainda mais estreitos em barcos ainda mais esguios. é preciso optar. Há dois barcos: ou vamos com os putos que não se calam nem estão quietos, ou vamos com o casal dos gordos, onde vai tudo quieto e calado, não vá o barco virar. Vamos com os putos, voltamos com os gordos (o barco não virou, mas esteve quase).

às tantas ficámos as duas. Resta-nos pegar na mochila e seguir em frente.