Ouro Preto I Brasil
Com certeza

Ouro preto, cidade branca. Palácios, pontes, chafarizes e igrejas. Espremem-se as ruas estreitas de casarios geminados com becos sem saída, contorcem-se subidas e descidas íngremes, de calçada tosca, que vão dar à Igreja de São Francisco de Assis, à de São Francisco de Paula, à de Nossa Senhora do Carmo, à de Nossa Senhora do Pilar, à de Nossa Senhora do Rosário, à do Rosário do Alto da Cruz, à do Rosário dos Brancos, à de Nossa Senhora da Conceição, à das Mercês, à das Dores, à do Bom Jesus de Matozinhos, à de São José, e não fomos dar a todas. Um dia em Ouro Preto não chega para tanta devoção. Não chega para os quatrocentos anjos esculpidos, os quatrocentos quilos de ouro, os quatrocentos de prata, para tanta talha de tanto altar mor, tanto barroco e rococó mineiro, do Aleijadinho, do pai do Aleijadinho, do mestre do Aleijadinho, tanta ornamentação, brasão, pórtico, flores e querubins. Vila Rica, Ouro Preto, um dia não chega. Não chega para tanto lambrequim, sacadas, portas, portadas, fechaduras e janelas. Não chega para tanta namoradeira de cerâmica, pedra-sabão, potes, panelas, vasos, cachimbos, araras, tucanos, pimentas, bananas, bordados, trançados, crochês, tricôs e bambu. E a nossa barriga também não chega para tanto feijão tropeiro, tutu, frango à molho pardo, com quiabo, arroz doce, doce de leite, pé de moleque, compota de goiaba, de figo, de laranja, ameixa, tanta bananada. Um dia não chega, mas foi o que bastou para ficarmos de peito cheio e podermos jurar que estávamos numa vila portuguesa.