Buenos Aires I Argentina
Eteeee! O sea...

Primeira aula de tango, a Mariana, a Catarina, o Chico e o Rodolfo também vão lá estar. Na milonga do Señor Duncan abrimos uma garrafa de vinho para embebedar os nervos e esfumaçar o desajeito. Entramos na roda do passo arrastado, das costas direitas reclinadas e do peso e contrapeso em cada pé. Depois é só caminhar, depois contra o corpo do par, e troca-se de par e fazem-se silêncios e tropeça-se na conversa descompassada dos desgostos e desenganos feitos passos crus de dança.

“Llora llora corazón, llora si tienes porqué”, é uma voz masculina que cambaleia, um homem que soluça, a “balada para um loco”, tango, “um pensamento triste que se pode dançar”. Tango de copo de vinho no Señor Duncan e garrafa aberta numa mesa para dois da Catedral. Templo de paixões, santuário dos desamores, altar de sensualidades, há um colossal coração roto sobre todas as cabeças, candeeiros de luz dramática, cadeiras mancas e sofás esventrados, tango. Traições sincopadas sem maneios femininos, caras duras, olhares cerrados, é o homem quem comanda o sofrimento ao ritmo binário da agressão, no chão farpado da Catedral. O remate de uma noite numa mesa com estranhos e garrafas de vinho vazias.

Uma manhã num quarto escuro de pontos infinitos, um aposento espelhado onde a obsessão é infinita, e a fila é infinita para lá chegar também – voltámos ao MALBA, o Museu de Arte Latino Americana de Buenos Aires. Já ouvimos falar da nova exposição desde Carlos Paz – Obsessão Infinita – o trabalho de carreira da japonesa Yayoi Kusama, que recentemente inspirou a casa Louis Vuitton com os seus Polka Dots. Kusama tem 84 anos e vive, por que quer, num sanatório. Desde criança que é atormentada por imagens obsessivas – “A minha arte é uma expressão da minha vida, sobretudo da minha doença mental, originária das alucinações que eu posso ver”. Não saímos nem alucinadas, nem com bolinhas autocolantes na cara, como boa parte da gente, mas ainda conseguimos dar mais umas voltas pelo Riviera, a Frida, o Botero, o Jorge de La Vega, o Tarsila do Amaral e mais uns tantos artistas plásticos latinos do segundo piso.

O resto da semana passou-se em longas caminhadas pela Corrientes a entrar em todas as livrarias, teatros e cine-teatros, a cruzar o Obelisco pelo menos quatro vezes ao dia, a negociar dólares na Lavalle, sentadas na Plaza de Mayo a tentar compreender as manifestações em frente à Casa Rosada, e a olhar para a Catedral Metropolitana de onde saiu o Papa Francisco. Uma semana a perder e a apanhar autocarros de frente para o Teatro Colón, a imaginar o Ricardo Darin a entrar e a sair do Palácio da Justiça de frente para o Teatro Colón, a passearmo-nos pelos corredores do Teatro Colón. E a cada esquina, a cada avenida larga, a cada edifício alto de século passado se percebe porque é que Buenos Aires é Paris na América Latina.

E o fim-de-semana começa no DaDa, numa esquina para a Plazoleta Cortázar, com um Pinguino e duas empanadas.